Vamos falar sobre a maternidade e a comunicação interna?

03/7/22
Sem categoria

Março é o mês da Mulher, então vamos abordar neste conteúdo a questão da maternidade e comunicação interna. Dessa forma, continue a leitura para saber mais!

As mulheres costumam enfrentar muitos desafios durante a jornada profissional. Para as mulheres que são mães, os desafios se multiplicam. Isso porque elas são barradas no “paredão da maternidade” muito antes de chegarem ao estágio do crescimento profissional.

Maternidade e a comunicação interna

Segundo o estudo Estatísticas de Gênero, divulgado pelo IBGE em março deste ano, apenas 54,6% das mães de 25 a 49 anos que têm crianças de até 3 anos em casa estão empregadas.

E, se engana quem pensa que é por escolha. Na maioria das vezes, a mãe sai do mercado de trabalho pela desvalorização profissional e por não ter com quem dividir as tarefas domésticas.

A comunicação interna e o talento da maternidade

A comunicação é uma ferramenta poderosa dentro das empresas. Porém, por si só não é capaz de criar políticas capazes de valorizar as habilidades comportamentais das mulheres que se tornam mães. Mas, é possível fomentar a mudança. Como?

Lideranças mais conscientes

Auxiliar na comunicação da liderança é a principal prioridade neste ano para 56,8% das empresas, segundo a pesquisa Tendências de Comunicação Interna para 2022, realizada pela Progic. A Comunicação Interna precisa trabalhar próxima da liderança, oferecendo treinamentos recorrentes e ferramentas que otimizem os processos comunicacionais para que as mulheres sejam acolhidas nesta fase das suas vidas, assim como auxiliar com a curadoria de conteúdos específicos. Quantos gestores têm a consciência de que a maternidade traz mais senso de propósito e oportunidades para exercitar a empatia, a liderança e a gestão de conflitos?

Comunicação clara

Um levantamento realizado pela InfoJobs e publicado pela revista Você RH revela que 51% das mães já sofreram algum tipo de preconceito dentro do ambiente corporativo. Trazer a equidade de gênero para a discussão por meio de uma comunicação clara, empática e capaz de resolver dúvidas. Além disso, alinhar expectativas e divulgar canais de escuta. Tudo isso é um caminho para diminuir a pressão e o desperdício de talentos quando existe a limitação da atuação da mulher no mercado de trabalho devido à maternidade. 

Grupos de apoio

Não só as mulheres precisam se apoiar. Os homens também têm um papel importante demonstrando empatia pela causa e promovendo a inclusão. Afinal, os grupos de apoio e auxílio ao suporte psicológico são formas ativas de garantir o desenvolvimento das mulheres dentro das organizações.

EVP

Segundo a pesquisa Tendências de Comunicação Interna para 2022, uma das prioridades da comunicação interna será o desenvolvimento e a implantação da proposta de valor ao colaborador.

Como a maternidade é tratada ao se levar em conta o plano de carreira. Além disso, os benefícios corporativos e o ambiente de trabalho saudável podem fortalecer e muito a imagem das empresas que valorizam a mulher ao longo da sua vida profissional. Por isso, a Comunicação Interna deve, não apenas auxiliar na construção do EVP, mas divulgar de forma constante e sistêmica todas essas informações aos colaboradores. 

O futuro do trabalho é diverso e a Vibro sabe disso porque é um hub formado por mulheres. Sendo assim, se sua empresa tem uma cultura inclusiva e precisa fortalecê-la ainda mais, conte com a comunicação que a gente faz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.